segunda-feira, maio 18, 2015

Despertai! parte 6

(eles andam há quase dois mil anos a dizer que está chegando)

Esta conversa teve lugar num sitio diferente do habitual. Estava eu à espera do autocarro na paragem, quando um indivíduo me aborda.

TJ: Boa tarde. É português?
Eu: Sou sim.
TJ: Ah, que bom. Por acaso conhece o verdadeiro nome de deus?
Eu: Sim, o nome verdadeiro dele é Jeová.
TJ: Que bom que conhece, hoje em dia há pouca gente que sabe o nome dele. E posso-lhe perguntar o que acha da bíblia?
Eu: Acho que é um conjunto de contos de povos da idade do bronze e de histórias de homens normais que se diziam influenciados por deus.
TJ: Então não acredita que deus existe?
Eu: Nope.
TJ: Como é que alguém que conhece o verdadeiro nome de deus pode não acreditar nele?
Eu: Eu li e investiguei pelos meus próprios meios e cheguei a essa conclusão.


Por esta altura já as outras pessoas que estavam na paragem começavam a prestar atenção à conversa, visto que eram férias da páscoa e o autocarro estava a demorar bastante. 


TJ: Sabe que a bíblia previu a Grande Guerra, não sabe?
Eu: Ai sim? Então mostre-me lá na bíblia essa previsão.
(TJ anda para trás e para a frente na bíblia)
TJ: Veja aqui "e nação virar-se-à contra nação"
Eu: Isso é muito vago. Em todas as alturas, o mundo teve uma nação contra a outra, não foi só na WW1.
TJ: Mas na bíblia vem a data da guerra! Eu é que neste momento não consigo encontrar a página.


Se algum de vocês descobrir em que página da bíblia é que diz "E em 1914 vai-se dar uma guerra mundial" avisem-me.


TJ: Mas não acredita que deus nos quer bem?
Eu: Então para que é que ele criou o diabo?
TJ: Ele não criou o diabo! Ele criou um anjo, que depois se tornou no diabo.
Eu: Portanto, visto que ele é omnisciente, ele criou um anjo que sabia que se ia tornar no diabo. Por isso criou o diabo.
TJ: Não não! deus não quer o nosso mal!
Eu: Por isso é que não o evita? Se ele é todo poderoso, porque é que não acaba com as doenças e as tragédias e afins. Ou ele criou-nos para sofrer?
TJ: Não, ele criou-nos para o amar-mos. Por isso é que somos o povo escolhido dele.
Eu: Pensava que o povo escolhido dele eram os judeus. 
TJ: E eram.
Eu: Então você é judeu?
TJ: Bem...quer dizer...sim, sou judeu.
Eu: Ah, que curioso, é o primeiro judeu que vejo a passear com uma bíblia e a pregar a palavra de cristo.


Nesta altura ele começa a ficar um bocado agitado.


TJ: Sabe, as pessoas acham que os anjos são bébes com asas, mas eles não são assim.
Eu: Ai não? Então como são?
TJ: São como nós e andam no meio de nós.
Eu: E como é que sabe isso?
TJ: Porque já os vi.
Eu: Ui! Já foi ao jornais dizer isso? Muita gente ficaria feliz por saber que os anjos existem. Então diga lá como é que faz para os ver.
TJ: Eu já tive visões dos anjos.
Eu: Eu se tiver febres muito altas também posso vir a ter visões, isso não quer dizer que sejam reais.
TJ: Mas são reais! Deixe-me perguntar-lhe uma coisa. Você acredita que eu já criei estrelas e planetas?
Eu: Não.
TJ: Muito obrigado e tenha um bom dia.

Fiquei desiludido comigo mesmo. Não devia ter sido tão direto a dizer que não, e assim não o teria afugentado. Este gajo se era TJ, era-o à muito pouco tempo, visto que não tinha a lição bem estudada. Em último caso, poderia ter fugido do manicómio onde ele tinha as visões de anjos, e onde criava planetas. Tive pena de não lhe pedir que descrevesse as estrelas, a ver até onde iam os conhecimentos de astronomia dele.

segunda-feira, agosto 04, 2014

Passagem Bíblica #3

Isaías 45:7 "Eu formo a luz, e crio as trevas; eu faço a paz, e crio o mal; eu, o Senhor, faço todas estas coisas."

"e crio o mal"

"eu o Senhor, faço todas estas coisas"

Bem, parece que descobrimos a origem de todos os males do Mundo. Parece que foi deus que os criou, e que os continua a criar. Todas as guerras, todos os genocídios, todos os desastres naturais tiveram uma origem. Obrigado deus, por dizeres que fazes a paz, mas compensares isso com todos os males que crias!

Bónus: Pessoas que têm medo do escuro, adivinhem quem é que criou "as trevas", só para vos atormentar?

(Imagem: Deus - Michelangelo)

domingo, agosto 25, 2013

Passagem Bíblica #2


Após o exército de Moisés ter derrotado os Midianitas, e morto todos os homens adultos entre eles, o seu exército voltou para o acampamento. E Moisés, ao ver a quantidade de prisioneiros que eles tinham trazido, ficou indignado (Números 31:14) e perguntou aos seus capitães se tinham deixado viver todas as mulheres e crianças. Após a resposta afirmativa dos seus capitães, Moisés disse o seguinte:

Números 31:17-18 "Agora, pois, matai todo o homem entre as crianças, e matai toda a mulher que conheceu algum homem, deitando-se com ele. Porém, todas as meninas que não conheceram algum homem, deitando-se com ele, deixai-as viver para vós."


Portanto, a ideia de numa batalha não se matar as mulheres e as crianças não vem da Bíblia de certeza. Porque segundo ela, só as raparigas virgens é que não são mortas. És um recém nascido do sexo masculino? Morres. És uma rapariga de 16 anos que teve a primeira vez no dia anterior? Morres.  És uma mulher de 50 anos que ainda é virgem? Provavelmente morres também, porque nenhum soldado te quer a viver para eles, porque se és virgem aos 50 naquela altura, deve haver algo de muito errado contigo. 

A Bíblia quer que os soldados vitoriosos tenham boas escravas, e escravas não só para o fim de trabalhos domésticos. Realmente, se a Bíblia nunca foi contra a escravatura, porque seria contra a escravatura sexual?

Por isso, meninas, em caso de guerra bíblica, vocês são as únicas que têm opções. Basta dizerem que são virgens e podem se tornar escravas sexuais do gajo que matou os vossos pais. Já os rapazes estão lixados, mesmo que tenham acabado de nascer, são todos passados pelo fio da espada.

( Imagem: Moisés - Michelangelo)

segunda-feira, agosto 12, 2013

Passagem Bíblica #1

Êxodo 35: 2 “Seis dias se trabalhará, mas o sétimo dia vos será santo, sábado de descanso solene ao Senhor; todo aquele que nele fizer qualquer trabalho será morto”


 A Bíblia. Esse livro sagrado para tantos, mas cuja maior parte dos seguidores nunca lhe pôs os olhos em cima. Será que algum desses seguidores já trabalhou num sábado (ou domingo, dependendo da interpretação)? Muito provavelmente. Todos já trabalhámos ao sábado (nem que fosse a fazer trabalhos de casa quando andávamos na escola). Segundo a Bíblia, deveríamos morrer por isso. E já agora, oh Bíblia, explica lá qual a melhor maneira para nos castigarem:

Números 15:32-36 “Estando, pois os filhos de Israel no deserto, acharam um homem apanhando lenha no dia de sábado. (…) E o meteram em prisão, porquanto ainda não estava declarado o que se lhe devia fazer. Então disse o Senhor a Moisés: certamente será morto o homem; toda a congregação o apedrejará fora do arraial. Levaram-no, pois, para fora do arraial, e o apedrejaram, de modo que ele morreu, como o Senhor ordenara a Moisés.”


Portanto, segundo a Bíblia, quem for apanhar lenha ao sábado, deverá ser apedrejado pelos seus vizinhos. Mas também tenho uma questão: apedrejar alguém conta como trabalho, não é? Então se o apedrejassem no sábado, também teriam de se apedrejar a eles próprios? Ou esperavam pela 2ª feira? E até o acto de o prender conta como trabalho, logo, teriam de lhe pedir o favor de ele se prender a ele mesmo, visto que nem os polícias (ou equivalente da época) poderiam trabalhar. Segundo a Bíblia, ao sábado nem polícia, nem bombeiros nem médicos poderiam trabalhar. Era bonito isso a acontecer.

(Imagem: Mozes en de tafelen der wet – Moisés partindo as Tábuas da Lei – Rembrandt)

domingo, maio 13, 2012

Despertai! parte 5

Podemos mudar de casa, mas felizmente há coisas que nunca mudam. Já há muito que não recebia visitas das minhas amigas Testemunhas de Jeová (a minha suspeita é que a minha casa ficou marcada no mapa deles como "casa a evitar"). Mas visto que me mudei, esta casa não está marcada a vermelho, logo, pude receber novamente a visita destas boas pessoas.

Nos dois últimos sábados tive o prazer de ter a companhia delas por algum tempo e tivemos as seguintes conversas:

TJ: Repare nesta passagem. Diz que o coxo voltará a andar, o cego voltará a ver, nunca mais haverá nem tristeza, nem fome, nem velhice. Os nossos entes queridos que morreram voltarão para nós, e seremos jovens eternamente. E a Terra dará todo o cereal necessário para que nós possamos viver bem.
Eu: Hhmm...Isso é interessante. Mas pense comigo: nós actualmente somos 7 biliões. Se ressuscitarmos todos mais toda a gente que já viveu , eu acho que a Terra não terá muito espaço para nós estarmos nela, não? Muito menos espaço para cultivar cereal suficiente para toda a gente. E já agora, viramos todos vegetarianos?
TJ: Bem, não vamos ressuscitar todos. Só aqueles que acreditam no verdadeiro deus.
Eu: Ah, portanto os meus entes queridos que não acreditarem, não ressuscitam, logo, vou passar a eternidade sem eles? E se eu for a única pessoa que acredita que eu conheço? Vou passar a eternidade com desconhecidos e com saudades das pessoas de que gostava?
TJ: Sim, mas nessa altura não se vai sentir triste, pois estará no reino de deus.
Eu: Ah, portanto vou ser alvo de uma lavagem cerebral nessa altura.



Eu: Uma questão: se eu nunca tivesse ouvido falar de deus, e tivesse morrido, ia para o inferno?
TJ: Não, seria julgado pelo que fez durante a sua vida.
Eu: Então se eu for uma pessoa boa e não acreditar tenho hipóteses de me safar?
TJ: Não, pois a partir do momento em que nós lhe batemos à porta, tem de aceitar deus.
Eu: Então porque é que me bateram à porta? Se não o tivessem feito, eu teria mais hipóteses de me salvar.
TJ: Ah, mas é a nossa função andar de porta em porta a espalhar a mensagem de deus.
Eu: Então é isso que vocês acham que deus quer que façam?
TJ: Sim, deus incumbiu-nos de andar a falar de deus às pessoas, para as podermos salvar.
Eu: Mas então porque é que deus não usa um dos seu inúmeros poderes para demonstrar que existe? É que essa vossa técnica não está a surtir efeito em mim.
TJ: deus decidiu que esta é a melhor maneira. Mas nós não estamos sozinhas. Temos os anjos connosco.
Eu:Anjos?
TJ: Sim, ninguém os consegue ver, mas eles influenciam as nossas decisões para ajudarmos as pessoas a compreender deus.
Eu: Portanto, vocês têm um deus omnipotente a dizer-vos para fazerem isto. Para além disso manda anjos que estão neste momento a aconselhar-vos, e como bónus ainda têm um livro sagrado convosco. Apesar disto tudo, eu ainda não estou convencido da existência dele. Acho que ele devia mudar a estratégia dele, visto que esta não funciona muito bem. Acho que se houvesse uns arbustos a arder que ditavam mandamentos, mais gente acreditava em deus. Porque é que deus parou de fazer essas coisas desde há 1800 anos para cá?
TJ: Porque deus acha que as pessoas agora têm de acreditar nele por terem fé, e não por verem manifestações dele.
Eu: Então é porque deus não quer mais súbditos, senão mudava a estratégia de marketing.



TJ: deus é um deus de amor.
Eu: É? As pessoas que morreram afogadas no dilúvio não concordam consigo.
TJ: Ah, mas elas morreram porque quiseram, que deus avisou-as com 150 anos de antecedência de que se elas não mudassem as atitudes delas, ele ia fazer o dilúvio. As pessoas não acreditaram nele, e então foram castigadas.
Eu: Uma coisa: deus é omnisciente, certo?
TJ: Sim.
Eu: Então deus com a sua omnisciência saberia que o aviso não ia funcionar. Então deus nunca os quis salvar, só os queria mesmo afogar.
TJ: Não, deus não usou a omnisciência aí. Ele deu a oportunidade das pessoas decidirem por elas próprias.
Eu: Então deus liga e desliga a omnisciência conforme lhe dá jeito. Conveniente. Mas quando o nível da água começou a subir, e estava pelo joelho das pessoas, aposto que houve pessoas que passaram a acreditar em deus e se mostraram muito arrependidas.
TJ: Sim, mas aí já era tarde.
Eu: Pois, porque aí deus já tinha aberto a torneira e tinha decidido que as ia matar todas por afogamento.
TJ: Não não, deus não as matou. Foram elas que morreram.
Eu: Se eu puser uma formiga num copo de vidro, lhe der um grito para ela me obedecer, ela não me obedecer, e depois eu encher o copo com água, fui eu que a matei, certo? Ou foi ela que morreu porque não me obedeceu por eu ter falhado ao passar a mensagem?
TJ: Mas você saberia que a formiga não o ia entender.
Eu: E deus também saberia que eles não iam seguir as ordens, se tivesse usado a omnisciência. Para que serve a omnisciência se ele não a vai usar?


E por agora é só. Num futuro próximo meto o resto da conversa.

Fica AQUI o link para as outras conversas com as TJs.

E a resposta à pergunta da imagem é: Sim! É deus a castigarmos por ele nunca se lembrar de ligar a omnisciência!

domingo, outubro 09, 2011

Milagre! Oh, wait...


"Uma grávida foi morta a tiro numa igreja em Madrid, e os paramédicos conseguiram fazer nascer a criança."

Todos devem ter visto esta notícia. E estavam lá as televisões e aconteceu o que eu estava a espera: as pessoas todas estavam a falar em milagre por a criança ter sido salva, e agradeceram a deus (de notar que o Firefox diz que "deus" em minúscula é um erro ortográfico, mas se eu puser "Deus" já não se queixa. Screw you, Firefox). Eu pensei "Pronto, como foi numa igreja já tou a ver que vão haver romarias, e velinhas, e que vai ser a criança milagre, tudo porque foi dentro de uma igreja." Sim, porque ninguém agradeceu aos paramédicos por terem feito o seu trabalho bem. Agradeceram a deus por ter salvo a criança.

Mas esperem aí.

A mãe da criança não sobreviveu. Porque é que não responsabilizam deus pela morte dela? Portanto deus não fez nada para impedir o assassinato da mãe, mas está tudo bem porque deus salvou a criança, que essa ainda era pura e inocente e merecia viver muitos e longos anos.


Oh wait!

"Bebé de grávida assassinada acabou por morrer."

Em que ficamos agora? deus arrependeu-se e achou que afinal não queria salvar a criança? A criança era filha do demónio e deus salvou o mundo ao matá-la? Ou efectivamente nunca houve milagre, e tudo o que aconteceu foi um caso infeliz que nada teve a ver com qualquer figura mitológica?

Espero que as televisões vão entrevistas as pessoas que disseram que era um milagre de deus. Quero ouvir as opiniões delas.

domingo, agosto 14, 2011

David, o vândalo

A minha rua está em obras há cerca de um ano. E este sinal está a frente de minha casa há cerca de 3 meses. E ontem olhei para o sinal de "atenção: obras" e pensei que poderia fazer alguma cena diferente dele. E voilá, aqui está a minha obra prima feita à pressa porque ainda passava alguém na rua e estava feito. Agora os condutores quando passarem pelo sinal vão ficar atentos a diabos que andam a desenterrar pessoas dos cemitérios. Muito mais divertido do que o "atenção obras" que estão sempre a ver.